AMARAJI

ETIMOLOGIA DA PALAVRA

Amaraji é uma palavra de origem tupi, que quer dizer: rio formado pelas chuvas; rio das nuvens; ou ainda, AMA- água do céu ou da chuva e RAJI - abundante.


HISTÓRICO DE AMARAJI



Amaraji tem suas raízes ligada à cana-de-açúcar. Com essa atividade, tornou-se vulto pouco a pouco, devido a necessidade de instalações residenciais e comerciais para os primeiros desbravadores do lugar.

Na primeira metade do século XIX já haviam na área onde situa-se a cidade importantes engenhos instalados, destacando-se ente eles o Engenho Sete Ranchos, de propriedade do Senhor Manoel Borbosa e o Engenho Guloso, de posse do Senhor João Ferreira Pontual.

A itensidade da cultura da cana-de-açúcar com a derrubada das matas para a construção de engenhos banguês (engenhos movidos a água), fez com que as terras do Engenho Garra, de propriedade do Comendador José Pereira de Araújo, à margem esquerda do rio Amaraji, fosse frequentemente visitada por pessoas ligadas a extração de madeira. Isto acontecia porque na época de estiagem os lenhadores que ali chegavam faziam a derrubada das matas, o corte de madeira e das toras nas proximidades do rio Amaraji. Quando começavam as cheias as madeiras eram emborcadas em balsas até o rio Serinhaém e daí para o porto marítimo, em Recife. Essas atividades e a espera das chuvas forçaram o aparecimento de um grupo de habitantes.

Os primeiros provoadores procederam da capital do Estado. A entrada dos mesmos data de 1850. Com esse grupo foi crescendo e surgindo na área casas comerciais, seus moradores dirigiam requerimentos ao presidente da Câmara de Vereadores da Escada, solicitando autorização para realizarem ali uma feira aos domingos.

Com a criação da primeira feira, realizada em 23 de julho de 1868, na praça José Pereira de Araújo, deu-se, então à partir daí, a criação do povoado. As causas determiantes do povoamento inicial da sede do muncípio foram dessa forma, a concessão de sesmaria, a edificação de engenhos de açúcar e a criação de uma feira. (Como são desconhecidos os nomes dos primeiros desbravadores, os fatos, entretanto são reportados aos nomes dos primeiros agricultores, que fundaram os primeiros engenhos de açúcar).

Com a criação da feira, aumentou o número de habitantes e o local prosperou o que lhe conferiu foros de freguesia (distrito) pela lei providencial nº 1831, de 28 de junho de 1884 com o nome de São José da Boa Esperança, antes chamada “Cambão Torto”.

A Lei provincial nº 2.137 de 09 de novembro de 1889 elevou São José da Boa Esperança à categoria de Vila, e em 1890 constituiu-se município autônomo, com área desmembrada da Escada pelo decreto estadual nº 17 de 24 de setembro do mesmo ano, recebendo o nome de Amaraji, designação esta proveniente de ser a cidade localizada à margem do rio que leva o mesmo nome.

O primeiro prefeito nomeado do município foi o coronel Rocha Ferraz, senhor de engenho, no ano de 1890.

Em 30 de outubro de 1892 realizaram-se as primeiras eleições municipais, sendo eleitos: Prefeito – Coronel Francisco Rocha Pontual, proprietário do Engenho Guloso, Vice-prefeito – Sr. José Barbosa Nunes, proprietário do Engenho Não Pensei; Conselheiros Municipais – (hoje vereadores) Sr. Etelmino de Almeida Bastos, proprietário do Engenho Cabeça de Negro; coronel Artur Siqueira Cavalcanti, proprietário do Engenho Caetés; comendador José Pereira de Araújo, proprietário da usina Bamburral; Sr. Manoel Liberato Marques, proprietário do Engenho Garra. A possw foi no mês de janeiro de 1893.

No ano de 1893 também foi criada a comarca do município, tendo como Juiz de Direito o Dr. José Antônio Melo; Promotor, Dr. Lourenço Caetano de Albuquerque; Tabelião, Sr. Eduardo de Carvalho; Avaliador da Fazenda, Sr. José Gomes; Escrivão, Sr. José Timótheo Pereira Bastos, Carcereiro, Sr. José Cesário de Araújo.

Pela Lei Estadual de nª 991 elevou a vila de Amaraji à categoria de cidade, em 01 de julho de 1909.

De acordo com os dados históricos apresentados, são destacadas as seguintes datas:

  • 23 de Julho de 1868 – 1ª feira – fato que deu origem à cidade;
  • 28 de julho de 1884 – Denominada São José da Boa Esperança;
  • 09 de novembro de 1889 – Elevada a categoria de vila;
  • 24 de setembro de 1890 – Denominada Amaraji, constituindo-se município autômono.
  • 01 de julho de 1909 – Elevada à categoria de cidade.